FUNCIONAMENTO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.

Cinema do Dragão: de terça a domingo, das 14h às 22h.

Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

OBS.: Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.

► MINICURSO AS RELAÇÕES DE EXPRESSIVIDADE MÚTUA ENTRE IMAGEM LITERÁRIA E REFLEXÃO FILOSÓFICA EM JEAN-PAUL SARTRE E ALBERT CAMUS

Como proposta de atividade do X Seminário do Grupo de Estudos Sartre/UECE, este minicurso será ministrado pelos convidados Francisco Amsterdan Duarte da Silva e David Lima Ribeiro dialogando com a exposição “RESISTÊNCIA, RESISTIR, RESISTENTE!”.

/// Dias 25 e 26 de julho de 2017, das 15h às 17h, no Miniauditório do MCC. Inscrições grátis: sartre@uece.br.

► SEMINÁRIO INTERNACIONAL CAPOEIRA ÁGUA DE BEBER – “TRIBOS, BERIMBAUS E TAMBORES”

O Centro Cultural Água de Beber (CECAB) é uma associação sem fins lucrativos cuja missão é difundir a cultura afro-brasileira, tendo a capoeira como principal ferramenta. Ao longo da última década, o CECAB vem atuando, através de parcerias, em diversos espaços (escolas, universidades, territórios urbanos estigmatizados, instituições governamentais e academias), atendendo a um público também variado, no sentido de apropriar-se da capoeira enquanto instrumento de conhecimento histórico, social e cultural, de combate ao racismo e quaisquer formas de preconceitos, além de explorar sua potência lúdica e esportiva. Bienalmente, o CECAB promove, com a participação de seus diversos núcleos (localizados nos estados do Ceará, Pernambuco e Alagoas, bem como em países como Hungria, França, Portugal, Alemanha, Áustria e Venezuela) um importante evento com forte conteúdo estético, mas com igual intuito de formação e avaliação de suas práticas, condutas e projetos, intitulado. Tribos, Berimbaus e Tambores (TBT).

Programação

25/07 – 16h30 – Mostra do Programa Eu, Você, a Escola e a Capoeira (EVEC)

             18h30 – Mesa: “Capoeira, Educação e Cultura”

26/07 – 16h30 – Mostra do Programa Eu, Você, a Escola e a Capoeira (EVEC)

             18h30 – Mesa: “Capoeira: expressão artístico-cultural e dispositivo político”

27/07 – 16h30 – Apresentações de Capoeira e Maculelê

             18h30 – Cerimônia de “troca de cordas”

/// Dias 25, 26 e 27 de julho de 2017, às 16h30, no Auditório. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Contato: Igor (monteiro_igor@yahoo.com.br)

► [TEATRO] TEMPORADA CEARENSE DE COMÉDIAS
Espetáculo MALASOMBRO
Cia Cearense de Molecagem

Anoitece na mansão dos Vampetas. A penumbra vem acompanhada de um toró sem proporções. Tábata e Cunha, funcionários da obscura casa, se desdobram em satisfazer as necessidades malucas de seu morador ilustre. 

Em meio a falcatruas e revelações, todos vão convivendo da pior forma possível até que, em meio a uma manifestação da elite do bairro, um casal de black blocs, Waldisney e Britiney, invadem o velho casarão. A esculhambação come de esmola. Entre sustos e malassombros, os jovens se entregam às delícias obscuras do terror, sem saber que rumam para um fatídico destino nos dentes do “coxinha” Vampeta.

/// Dia 25 de julho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: 12 anos.

Contato: Carri ((85) 3219 9493 – (85) 98517 2301)

► [DANÇA] TANGO NA PRAÇA

Venha trocar ideias e dançar junto de admiradores do tango argentino. O projeto mensal traz a prática do tango ao alcance de todos.

/// Dia 26 de julho de 2017, das 19h às 21h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Contato: Raquel (racheldimamima@hotmail.com) / 85 98684.6404

última apresentação!
► [CIRCO] Espetáculo “QUINTAL”
Companhia Circo Lúdico Experimental – CLE

Quintal, uma pausa no fluxo intenso da cidade para ampliar o olhar para a pequenez das coisas, pés de calços, balanço, fazer brinquedo com as palavras, fazer palavra virar corpo. Deter-se a observar, dar às coisas uma volta inteira, margear, imaginar, inventar modos de olhar, transver o mundo. Um espetáculo inspirado na obra de Manoel de Barros.

/// Dia 26 de julho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). Classificação: Livre.

Contato: Sâmia Bittencourt (85 98865.8907/ 99975.8907)

► MINICURSO FILOSOFIA E LITERATURA EM SARTRE E BLANCHOT

Como proposta de atividade do X Seminário do Grupo de Estudos Sartre/UECE, este minicurso será ministrado pelos convidados Leandson Vasconcelos Sampaio e Camilla Muniz Castelo Branco dialogando com a exposição “RESISTÊNCIA, RESISTIR, RESISTENTE!”.

/// Dias 27 e 28 de julho de 2017, das 15h às 17h, no Miniauditório do MCC. Inscrições grátis: sartre@uece.br.

última apresentação!

► [DANÇA] PROGRAMA QUINTA COM DANÇA – TEMPORADA DE ARTE CEARENSE
Espetáculo MULATA
Cia Dita

O trabalho construído em 2014, marca o ano de comemorações dos 50 anos da bailarina cearense Wilemara Barros e ganha narrativa com corpo e voz da artista que esmiúça sua trajetória de 42 anos de dança. Wilemara começou a dançar em uma época regida pelo modelo europeu como estética a ser seguida. 

Desacreditada por seu primeiro professor quando criança, seguiu transformando-se ao longo de quatro décadas em uma mestra da técnica clássica, criando uma carreira significativa no cenário da dança cearense/ brasileira. Mulata é sobre a delicadeza das percepções menos visíveis.

/// Dia 27 de julho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). Classificação etária: 10 anos.

Contatos: Fauller: (85) 99800-1074, fauller@hotmail.com

► SEMINÁRIO LINGUAGEM, SOCIEDADE E MÍDIA

A linguagem tornou-se parte irredutível da realidade social. Estrutura, práticas e eventos são mediados simbolicamente pela linguagem, que constitui semioticamente formas de vida, ações, representações e identidades.

Considerando o papel da linguagem na sociedade e sua relação estreita com as tecnologias de mediação nas interações sociais, o seminário tem o propósito de lançar luz sobre problemáticas diversas, especialmente na área das artes literárias, para ampliar o debate em torno dos nossos modos de vida.

COORDENADORA

Profa. Ms. Mª Eduarda Gonçalves (UECE)

PALESTRANTES

Profa. Dr. Sarah Forte (FAFIDAM)

Profa. Ms. Arminda Serpa (UECE)

Profa. Ms. Maria Eduarda Gonçalves (UECE)

PROGRAMAÇÃO

14h – Discurso de Abertura e Agradecimentos

Apresentação do tema

Apresentação dos palestrantes

14h30 – Exposição

15h – Exposição 2

15h30 – Exposição 3

16h30 – Discussão e Debate com o público

/// Dia 28 de julho de 2017, a partir das 14h, no Auditório. Entrada: 1kg de ração para cachorro/Doação para a ONG Abrigo São Lázaro > Classificação etária: 16 anos

Contato: (085) 9-9853-1499 ou 3013-8936

► [MÚSICA] DRAGÃO BLUES
Show “Chicago Anos 1940 e 1950”

Programa mensal do Dragão do Mar em parceria com a Casa do Blues, o Dragão Blues apresenta em 2017 shows temáticos. Em julho, “Chicago Anos 1940 e 1950” traz repertório do momento de uma guinada especial do blues, na cidade norte-americana, em função da eletrificação do gênero e do surgimento de ícones como Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Little Walter, Sonny Boy Williamson, entre outros. A apresentação terá participações de Cláudio Oliveira e Roberto Lessa (guitarras e vocais), Diogo Farias (gaitas), Leonardo Vasconcelos (teclados), Victor Fontenelle (baixo) e Marcelo Holanda (bateria).

/// Dia 28 de julho de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Contato: Roberto (99736.4479)

última apresentação!

► [DANÇA] Espetáculo DE-VIR
Cia Dita

De-vir estreou em dezembro de 2002 como exercício final do coreógrafo Fauller, no Curso de Criação Coreográfica do extinto Colégio de Dança do Ceará. Em sua trajetória de 15 anos, o projeto conquistou um público múltiplo.

A relação com essa audiência proporcionou ao espetáculo conexões com o cinema, com projetos acadêmicos dentro e fora do Ceará e com diversas publicações em livros e revistas. “De-vir” foi apresentado em todo o Brasil nos mais importantes festivais de dança e através da Circulação Nacional Palco Giratório – SESC.

Também foi apresentado em países da América do Sul, África e Europa. O espetáculo, hoje, é considerado umas das principais obras da dança cênica do Ceará.

/// Dia 28 de julho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 16,00 (inteira) e R$ 8,00 (meia). Classificação etária: 18 anos.

Contato: Fauller (85 99800.1074)

► PROGRAMA EDUCATIVO DA EXPOSIÇÃO MIOLO DE POTE // CERAMICANDO – Oficinas de cerâmica para iniciantes

A partir do livro homônimo dos famosos ceramistas Jean-Jacques Vidal e Paulo James, o Núcleo Educativo do MCC realiza oficinas de argila aos finais de semana de julho, explorando de forma simples e divertida diferentes técnicas de preparação e modelagem do barro pra criançada aproveitar as férias com arte e criatividade. Ceramicando traz em detalhes o processo completo que envolve a arte de fazer cerâmica, transformando técnicas mais elaboradas em tarefas incrivelmente simples.

Programação

Dias 29 e 30 de julho, das 16h às 18h | Construindo um vaso e uma tartaruga

Público-alvo: crianças e iniciantes. Inscrições: educamcc@gmail.com | Assunto: oficinas argila. Descrição: Crianças enviar nome, idade e nome do(s) responsáveis que a acompanharão; Adultos: Nome e ocupação. Vagas: 10 participantes por dia. Acesso gratuito.

► [TEATRO INFANTIL] Espetáculo “IROKO”
Edivaldo Batista

Iroko é espetáculo infantil do ator-pesquisador Edivaldo Batista, que se utiliza das narrativas mitológicas do povo ioruba para apresentar o orixá Iroko. Na cena, o ator se utiliza de máscaras para compor as figuras principais que representam a lenda tradicional de um deus que mora dentro da árvore sagrada Iroko.

/// Dias 29 e 30 de julho de 2017, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: Livre.

Contato: Edivaldo Batista (85) 99619-5634 batistaproducao10@gmail.com

► [MÚSICA] PÔR DO SOM

Programa semanal do Centro Dragão do Mar, o Pôr do Som traz grupos de instrumentistas em formações diversas, que mostram um repertório variado. Nesta edição, apresentam-se Samuel Rocha e Luís José – Duo de Cavaquinho de 6 cordas e Violão de 7 cordas.

Samuel Rocha Natural de Recife – PE, e residente em Fortaleza – CE, o violonista, compositor e arranjador Samuel Rocha faz parte da nova geração de músicos no Estado. É formado no curso de Licenciatura em Música pela Universidade Estadual do Ceará e um músico que tem se destacado na cena musical cearense pela sua dedicação ao violão de sete cordas e por suas composições. Sob influência do choro e da música regional, desde os quinze anos de idade, Samuel vem consolidando o seu trabalho no sentido de fortalecer este segmento.

Foi idealizador do grupo Murmurando em 2006, onde atua até hoje. Samuel já dividiu o palco com artistas renomados. Dentre os vários, Macaúba do bandolim, Adelson Viana, Luizinho Calixto, Zé Paulo Becker, Maurício Carrilho,João Camarero, Nonato Luís, Gilson Peranzeta, Mauro Senise, Marcus Caffe , Humberto Pinho, Waldonys,Cláudia Barroso, Gabriel Grossi e o Grupo Época de Ouro.

Em 2014 foi professor de violão do X Festival da Ibiapaba. Em 2015 fez shows importantes no rio de janeiro, representando o choro cearense com o jovem acordeonista Nonato lima, na Casa do choro, no Semente e na Rádio Nacional com o Grupo época de ouro Participou no DVD do grupo Mesura, intitulado “Samba de Terraço com Mesura”, no DVD “Homenagem a Luiz Gonzaga”, comemorando o centenário do artista pernambucano, e na produção do CD do violonista Marcos Maia.

Como compositor, ficou em terceiro lugar no prêmio de música instrumental da Rádio Universitária (FM 107, 9) em 2011 com a música “influência”, fruto da parceria com Pedro Alcântara e Tarcísio Sardinha. Já “Baião para Suzana”, compõe a trilha sonora do curta-metragem “Bumba meu peixe”, produzido pela Associação Mundo Animado das Artes-AMANDA (CE), é premiado na 2ª edição do prêmio Cultura Viva, idealizado pelo Ministério da Cultura. Uma característica de suas composições é a evidente presença dos elementos essenciais dos estilos musicais que o inspiram, sem perder a dimensão da contemporaneidade e dos seus aspectos subjetivos. O que contribui para o fortalecimento da sua identidade como artista. Um de seus projetos atuais é divulgar a sua música através de um CD. No qual pretende difundir o choro e a música regional, em parceria com jovens músicos também influenciados por esses gêneros.

Luiz José, iniciou o estudo no cavaquinho de forma autodidata aos 10 aos de idade (1990) e posteriormente obteve lições de instrumento com os professores Adriano e Elismar Pontes (1997). Com estudos no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno. Desde cedo, dedicou-se ao estudo da música popular brasileira principalmente a instrumental, tendo atuado e atuante como solista e músico acompanhante em vários conjuntos musicais em Fortaleza.

Participou de várias apresentações com nomes de destaque na música popular brasileira, dentre os quais, Jair Rodrigues, Bezerra da Silva, Roberto Silva, Paulo César Pinheiro, Ataulfo Alves Junior, Orquestra Eleazar de Carvalho com o solista Jorge Cardoso.

Com participação ativa como músico de Choro, tocou com grandes nomes do gênero como Marco de Pina (RJ), Marco Cesar (PE), Pedro Amorim(RJ), Luciana Rabello (RJ),Carlinhos Patriolino (CE), Macaúba (CE), Hamiltom de Holanda, Alencar 7 Cordas, Pablo Fagundes, Zé Menezes, Ronaldo do Bandolim, Zé da Velha e Silverio Pontes, Zé Calixto e Adelson Viana. Tocou em aberturas de shows importantes tais como Dominguinhos, Beth Carvalho, Demônios da Garoa, Roberta Sá com Trio Madeira e Conjunto Época de Ouro.

Em 1997, passou a integrar o Cordas Que Falam, grupo musical de choro com ativa participação em programas de rádio e televisão, tendo sido originado em programa da FM Universitária de Fortaleza. Desde 2004, passou a fazer parte do programa semanal “Ontem, Hoje e Sempre”, da TV Ceará, apresentado por Augusto Borges com o Cordas que Falam.

Participou de CDs de vários artistas, dentre os quais, com a cantora Tereza Valeska, “Samba de Boteco”; “Canções”, do violonista Nonato Luis; um show gravado pela TV Assembleia, com o gaitista Pablo Fagundes (2006), e recentemente o CD “Jorge Cardoso e Cordas Que Falam”; e “Bandolim do Brasil”.

Em 2008, idealizou o cavaquinho de 6 cordas, em primeiro momento, uma adaptação realizada pelo Eudes (luthier na Joarama, concertos de instrumentos musicais) em seguida em 2011, concretizou com o JB luthier, um cavaquinho com estrutura mais aprimorada.

/// Dia 29 de julho de 2017, às 17h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Contato: Tauí Castro (085) 99913-3819 (TIM) | (085) 98890-9434 (CLARO)

► [TEATRO] Espetáculo “ASJA LASCIS JÁ NÃO ME ESCREVE”
Grupo Terceiro Corpo

Asja Lacis, mola propulsora da peça “Asja Lacis já não me escreve”, era uma revolucionária, atriz e diretora de teatro russa. Foi colaboradora de Meyerhold e de Eisenstein, próxima do grupo de Maiakóvski. Asja foi amante e parceira intelectual de Walter Benjamin. Por intermédio dela, Benjamin e Brecht se conheceram. No fim dos anos 1930, Asja Lacis desaparece num campo de concentração stalinista e Brecht registra em seu diário de janeiro de 1939.

/// Dias 29 e 30 de julho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: 10 anos.

Contato: Nádia ((85) 999651755 / (85)999825374 / nadiafabrici@gmail.com)

► FUXICO VERDE

Durante o mês de julho, nas Férias com Artes, do Instituto Dragão do Mar, a tradicional feirinha dominical Fuxico no Dragão ganha versões temáticas. No dia 30, será realizado o Fuxico Verde, uma feirinha de expositores e feirantes de mudas de plantas.

Dentro da economia criativa, percebe-se uma tomada de consciência cada vez maior acerca da questão da sustentabilidade. Num mundo cada vez mais tecnológico, o cultivo de plantas, mudas e hortas, seja para fins de decoração das casas, no paisagismo, seja na jardinagem, tem ganhado força novamente e os adeptos de todas as idades começam a movimentar uma já ativa cena local.

Nessa edição do Fuxico, serão expositores alguns nomes que se destacam no segmento de cultivo de plantas, mudas e mini-hortas, entre os quais, o grupo de Doação e Troca de Mudas de Fortaleza.

Além disso, a Temporada de Arte Cearense apresenta o programa Fuxico Musical, às 19h, com a cantora Paula Tesser. A artista traz o show “Forró de Cabo a Rabo”, que explora a diversidade do forró a partir de arranjos que valorizam os sons do passado, mas com uma roupagem contemporânea.

EXPOSITORES

Minha Horta – Surgiu sob o anseio de levar aos cidadãos fortalezenses uma maior qualidade de vida, a partir da alimentação saudável sob a filosofia de cultivar seu próprio alimento. Levando assim para dentro de cada residência, o verde para os olhos e o valor dos pequenos gestos de se cultivar a vida.

Grupo de Doação e Troca de Mudas em Fortaleza – Objetiva proporcionar acesso a mudas e plantas em geral para a população urbana. Busca oferecer sempre que possível informações sobre o assunto. Promove eventos mensais a fim de doar e trocar mudas, além de realizar atividades beneficentes.

Meu Pequeno Cactus – Cactus e suculentas em vasinhos decorados manualmente.

Jardim do Seu Flor – Jardinagem Urbana – Terrários, minijardins, hortas urbanas e paisagismo em pequenos espaços.

A Suculenta – Objetos de crochê feitos a quatro mãos por duas mães (de gente, de pets, de plantas) pra cuidar do seu ninho.

Jardim das Samambaias – De Pedro e Teresa, um casal apaixonado por plantas de todo tipo, mais especialmente por Adenium, Cactus, Suculentas, e Samambaias. Produzem e comercializam mudas e sementes da Rosa do Deserto, terrários e minijardins, além de fazer paisagismo e decoração de varandas.

É Prasada! – Culinária Vegana e Vegetariana

Bike Vegan – Culinária vegana

/// Dia 30 de julho de 2017, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

► [MÚSICA] PROGRAMA FUXICO MUSICAL – TEMPORADA DE ARTE CEARENSE
PAULA TESSER
Show “Forró de Cabo a Rabo”

O forró mostra na sua essência e história, a partir da década de 1940 até hoje, uma multiplicidade e uma diversidade que extrapolam o rótulo tradicional versus eletrônico. O show da cantora Paula Tesser traz no repertório os nomes que integraram os vários tipos de forró produzidos no Nordeste, assim como composições de autores e músicos contemporâneos da cena cearense.

Essa diversidade do gênero forró é rica e merece ser homenageada com arranjos que valorizam os sons do passado, mas que também possam ser ouvidos com uma roupagem musical contemporânea. Um show de forró em que a música se encontra com a dança, em que a voz é parceira do corpo que baila.

/// Dia 30 de julho de 2017, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Contatos: Paula Tesser | (85)98837-4399 | tesserpaula@gmail.com

//// TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR

Feira Dragão Arte

Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.

Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D’Água. Acesso gratuito.

Planeta Hip Hop

Grupos promovem exibições de dança e música hip hop.

Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Brincando e Pintando no Dragão do Mar

Brincadeiras e atividades infantis orientadas por monitores animam a criançada.

Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

Fuxico no Dragão

Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia agitam as tardes de domingo.

Todos os domingos, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

//// PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura informa que o Planetário Rubens de Azevedo passa por manutenção corretiva. Está, portanto, temporariamente fechado para atendimento ao público amplo, funcionando apenas para escolas agendadas. Informações: 3488.8639 ou www.dragaodomar.org.br/planetario

//// MUSEU DA CULTURA CEARENSE (MCC)

► Exposição Resistência, Resistir, Resistente!

Substantivo, verbo, sujeito. Pensamento, ação, compreensão. Política, Cultura, Artista. “RESISTÊNCIA, RESISTIR, RESISTENTE!” surge do potencial criador da negação: do reconhecimento de que agir é projetar no mundo negando o que existe em função do que só existirá a partir da ação; da consciência de que esta atitude negativa nos desvenda um projeto de mudança. É pela linguagem, criatividade e ação humana que a resistência se faz possível. Mas qual a fórmula secreta da resistência? O que faz de alguém um resistente?

Foram estas inquietações que nortearam o Grupo de Estudos Sartre da Universidade Estadual do Ceará – GES/UECE e o Núcleo de Ação Educativa do Museu da Cultura Cearense – MCC rumo ao desvendamento da realidade pela arte tendo a certeza de que desvendar é tencionar para a mudança. O paradigma é o pressuposto de que toda arte possibilita um discurso e todo apreciador é um co-artista, pois partimos da provocação “e se uma arte for um signo?”.

Assim, o campo das possibilidades se abre. A linguagem artística passa a ser instrumento de comunicação entre aqueles que a usam e aqueles que percebem, pois não a percebem passivamente: sua subjetividade garantirá um texto próprio sobre a obra, perpassando pela situação posta e apelando à liberdade do observador-agente.

É assim que a arte nos põe a discutir, observar e experimentar o campo da resistência, o ato de resistir e a escolha de fazer-se resistente. Não obstante o atual cenário político, esta exposição é, em sua própria concepção, uma expressão real de “alguém que resiste”, seja na cadeia academia, na colonização da cultura, ou em qualquer situação, sempre há uma forma de resistir. Qual é a sua?

De 15 a 30 de julho de 2017, no Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

► Exposição “Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual”

Reunindo uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.

Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. “Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final”, define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.

Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

Instalação de Bosco Lisboa

Em julho, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.

Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif’s (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

Em cartaz por tempo indeterminado, no Piso Intermediário do MCC. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

► Exposição Vaqueiros

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

Em cartaz permanentemente, no Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Devido à manutenção, a mostra está aberta somente para visitas agendadas. Contato: (85) 3488.8621. E-mail: agendamentomuseus@gmail.com.

Ações do Núcleo Educativo do MCC

[PROJETO ANUAL]AMPLIANDO OS OLHARES / DIALOGANDO COM A OBRA

Visitas mediadas para o público espontâneo, sem necessidade de agendamento prévio. É imensurável a diversidade de experiências e aprendizados dos diferentes públicos quando visitam exposições. Os acervos expostos costumam suscitar inúmeras questões: de onde veio? Quem fez? Qual significado? Por que está neste lugar? Para alguns, o diálogo com o educador é essencial para significar o acervo exibido.

Todas e todos os (as) interessados (as) em “ampliar os olhares” para as exposições do MCC e “dialogar” com o acervo por meio de atividades diversas (oficinas, contações de história, cine clube, jogos, descoberta dirigida, etc) estão convidados a participar desta programação.

QUANDO: aos sábados e domingos de julho, a partir das 17h
ONDE: Somente na exposição “Miolo de pote”
QUEM MEDIA: Educadores do MCC
PÚBLICO ALVO: Famílias, amigos, casais, crianças, estudantes. Público livre.

Informações: 85 3488.8621 ou educamcc@gmail.com

[PROJETO ANUAL] MUSEU VAI À ESCOLA

Projeto que leva o MCC e a educação patrimonial para dentro da sala de aula.

O “Museu vai à Escola” é uma ação voltada para jovens estudantes dos diferentes níveis de ensino. Sua proposta é contribuir, a partir de reflexões e atividades sobre o patrimônio cultural do Estado do Ceará, com uma educação que aponte para questões recorrentes na sociedade atual, suscitadas pelas exposições e acervo do MCC, estimulando os estudantes a pensar sobre o patrimônio cultural brasileiro e fazê-los reconhecer e respeitar a diversidade cultural dos povos e de sua própria localidade, através de ações interdisciplinares em parceria com professores.

A atividade é realizada em dois encontros: no primeiro, a equipe do Núcleo Educativo do MCC vai até a escola. Lá, com suporte de materiais didáticos como quadros, imagens ampliadas,

réplicas de obras do acervo, fotografias, dentre outros, os educadores realizam discussões dirigidas, palestras e oficinas com a turma, com foco no conteúdo supracitado. Encerra-se esta etapa com a apresentação do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, do Museu da Cultura Cearense e de suas exposições.

O segundo encontro (não obrigatório) é realizado com a visita da turma às exposições do MCC.

Os professores, coordenadores pedagógicos e demais interessados em realizar a ação com suas turmas, devem entrar em contato com o Núcleo Educativo do MCC pelo telefone 3488-8621 ou pelo e-mail educamcc@gmail.com para agendar a atividade.

DATA E HORÁRIO: mediante agendamento prévio.
CONTATOS PARA AGENDAMENTO E INFORMAÇÕES: 3488-8621 / educamcc@gmail.com

/// MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ

► Exposição “O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos” [PRORROGADA!]

A mais completa mostra sobre a obra de um dos grandes nomes da fotografia no Brasil pode ser visitada até agosto no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Realizada pelo Instituto Moreira Salles (IMS), do Rio de Janeiro, e a Terra da Luz Editorial, do Ceará, a exposição “O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos”, apresenta cerca de 400 fotografias, além de objetos, livros, recortes, exibição de filmes (“It’s All True”, “Cangaceiros”), documentários sobre ele, vídeo sobre o livro Mucuripe, entrevistas, entre outros.

Nascido há 100 anos (25 de abril de 1917) e falecido há 16 (26 de dezembro de 2000), “Seu Chico” como era chamado por tantos amigos, colegas e admiradores de sua obra, foi o precursor da fotografia na publicidade no Brasil e fez escola com sua arte que foi, é e será sempre uma grande referência. O pioneirismo, suas múltiplas habilidades e seu extremo domínio da luz e da técnica o levaram ao patamar de mestre de gerações de fotógrafos Brasil afora. “Essa exposição pretende apresentar ao público a maestria de Chico Albuquerque, que teve uma rica trajetória de mais de 65 anos na fotografia brasileira”, diz Patricia Veloso, da Terra da Luz, que divide a curadoria com Sérgio Burgi, do IMS.

Muitas fotografias são expostas pela primeira vez no Ceará. Elas são parte do acervo de cerca de 75 mil imagens produzidas pelo fotógrafo cearense em São Paulo entre 1947 e 1975, que está preservado na Reserva Técnica Fotográfica do Instituto Moreira Salles por meio de convênio com o Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Esse material foi digitalizado no IMS, que fez, em seguida, um minucioso trabalho de recuperação das imagens, boa parte delas bastante degradadas. Outra parte da exposição é composta por fotografias mantidas no Ceará, sendo, pois, um encontro de acervos, dando uma visão de toda a obra, resultando na mais completa mostra já realizada sobre ele.

“O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos” apresenta as várias fases de sua vida e obra. Uma das salas lembra o período de 1934 a 1945, que são os primeiros anos da ABAFILM, fundada em Fortaleza por seu pai, Adhemar Bezerra de Albuquerque, e o início da carreira profissional de Chico, que esteve à frente do estúdio da empresa de fotografia do pai. É dessa época o trabalho de still do filme It’s All True, do cineasta Orson Welles, do qual participou Chico Albuquerque, e os registros do cangaço feitos por Benjamim Abrahão, cujo serviço foi contratado pela ABAFILM.

Em 1945, Chico Albuquerque mudou-se para São Paulo, onde abriu seu estúdio e destacou-se como um dos melhores retratistas do país, tornando-se um ícone da fotografia publicitária no Brasil, atividade que iniciou em 1949 junto às maiores agências de publicidade nacionais e internacionais.

Do período que residiu em São Paulo datam a série de cerca de 50 retratos de artistas, políticos e outras personalidades, as fotografias de arquitetura, moda, indústria automobilística e as imagens urbanas da capital paulista, produzidas nas décadas de 1960 e 1970, nunca expostas em Fortaleza. Na mostra há também um espaço dedicado ao fotoclubismo, movimento que participou como membro do Foto Cine Clube Bandeirante e que projetou a fotografia brasileira no cenário internacional.

Mucuripe, Frutas e Jericoacoara – Do acervo que permanecem no Ceará, estão séries como Frutas, de 1978, Jericoacoara, sendo esteo último ensaio que realizou, em 1985, e Mucuripe, a famosa documentação sobre os jangadeiros na praia de Fortaleza registrada por Chico Albuquerque em duas épocas distintas. A primeira vez foi em 1952, gerando uma grande repercussão nacional, com exposição no MASP e divulgação em revista de circulação nacional. A segunda, 36 anos depois, em 1988, cujas fotografias compuseram a primeira publicação do livro Mucuripe, lançado no ano seguinte. Editora e curadora também dos livros sobre a obra de Chico Albuquerque, Patricia Veloso lembra que as duas primeiras edições de Mucuripe tiveram o acompanhamento do fotógrafo nos serviços de impressão em São Paulo.

Recortes e afetos – A exposição reserva um espaço que é chamado pelos curadores como Sala dos Afetos, com registros de pessoas que fotografaram Chico Albuquerque, fotos pessoais, da família e lugares onde morou.

Em cartaz até o dia 31 de agosto de 2017, no MAC-CE. Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

//// VARANDA DOS MUSEUS

► Exposição “Não estou só de passagem”

Luiz Freire costuma amanhecer o dia vendo a cidade onde mora pelo lado de fora, lá por onde dizem ter passado os portugueses quando chegaram na Barra do Ceará, em cima das ondas, lá dentro do mar. De lá, percebe como o horizonte – este outro visto do “outside” – tem mudado, percebe como a cidade se desenvolve, como cresce e se deteriora. Vê os amigos partindo e outros chegando. A água, essa cama passageira do artista, também é lente, espelho, reflete. A água, nem sempre incolor, insípida e inodora, também revela. Luiz não é apenas espectador, não está só de passagem.

O projeto “Não estou só de passagem” teve início em 2013 e se dá pela captura de uma imagem momentânea de pequenas ações corriqueiras sobre o reflexo de lâminas de água formadas casualmente em espaços improváveis. Deixa-se claro que algumas das poças são para além de casuais, senão resultados de descaso e má vontade social e política. Algumas questões são levantadas, como os efeitos e as condições do desenvolvimento das cidades e seus litorais, as memórias que se formam coletivamente e os impactos do uso desses locais. O projeto caminha alinhando denúncia e poética em um mesmo corpo.

Este ano, o projeto se transforma em exposição a partir da curadoria compartilhada entre Luiz e o também artista Emanuel Oliveira. A partir da escolha de aproximadamente 20 imagens, feitas com câmeras de pequeno porte, “Não estou só de passagem” será apresentada na Varanda dos Museus, espaço situado ao lado do Museu da Cultura Cearense, do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, como resultado de aprovação para a programação da Temporada de Arte Cearense (TAC). A exposição fica em cartaz até início de agosto.

Em cartaz até dia 6 de agosto de 2017, na Varanda dos Museus. Visitação: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

Anterior

CONTAGEM REGRESSIVA: Jorge e Mateus comandam festa sunset no Terminal Marítimo

Próximo

27º Cine Ceará realiza curso de Cinema e Literatura

Faça seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.